Celina Yamauchi

São Paulo/SP, 1970

  • Sem Título (1998)
    desenho sobre filme fotográfico
Small_arrow_left Small_arrow_right

Celina Yamauchi

Desde o início de sua trajetória, Celina Yamauchi teve como uma de suas principais questões a problematização do meio fotográfico. A artista constrói paisagens a partir de justaposições de desenhos e fotografias em preto e branco. Os desenhos são feitos diretamente sobre o filme fotográfico, são incisões. Seu universo visual é desprovido de referência corporal, privilegiando o espaço da natureza como principal motivação. Em 2008, participou das exposições Oriente ocidente, no Centro Cultural São Paulo, e Arte. Brasil-Japão. Moderno e atual, no MAC-USP, São Paulo, entre outras.

De paisagens fotográficas

Marcos Moraes

“... permanecer na memória ponto por ponto, na sucessão das ruas e das casas ao longo das ruas e das portas e janelas das casas, apesar de não demonstrar particular beleza ou raridade. O seu segredo é o modo pelo qual o olhar percorre as figuras que se sucedem como uma partitura musical da qual não se pode modificar ou deslocar nenhuma nota."
Italo Calvino 

Há um elemento fundamental e vital para a compreensão do universo da criação das paisagens fotográficas de Celina Yamauchi. Aqui, o que menos importa são as tradicionais questões que permeiam - desde o século passado - as discussões sobre as linguagens artísticas, suas crises e seus rumos. Não se trata, portanto, de questionar a adequação no uso deste ou daquele procedimento técnico, mas sim de mergulhar nas imagens: apreender a materialização de "lugares" sobre o papel fotográfico.

Confluência de experiência, significação e memória, estes fragmentos de vida são, em verdade, resultado de um decantamento no processo de investigação do olhar sobre o espaço da natureza. 

A escolha: recortes de uma paisagem transformam-se em desenhos realizados a partir daquelas imagens fotográficas. Convertidas em índices gravados sobre a película de filme velado, são ampliados e reproduzidos.

O gesto corresponde à rapidez gráfica sobre diminutas superfícies de gelatina e celuloide, aglutinando procedimentos. Realizado em instantes, esta rapidez da ação aponta para uma correspondência direta ao traço do desenho, ao gesto de cavar da gravura e, não ao instantâneo fotográfico.

A paisagem - saturada de significados - nos apresenta, de início, indícios desta presença: não a ambiguidade de espaços indeterminados, mas a referência do lugar desaparecido. Autodeterminante, o gesto interferidor - superado seus limites - permanece, constrói o espaço e realiza-se, pervertendo-nos doce e suavemente o olhar. Não há resquícios ou ruínas, apenas existência.
  • Realização: