Ana Amélia Genioli

São Paulo/SP, 1965

  • Sem título (1997)
    Obra em posição vertical
    técnica mista sobre papel
  • Detalhe superior da obra Sem título (1997)
    técnica mista sobre papel
  • Detalhe inferior da obra Sem título (1997)
    técnica mista sobre papel
  • Sem título (1997)
    técnica mista sobre papel
Small_arrow_left Small_arrow_right

Ana Amélia Genioli

Ana Genioli trabalha a ocorrência de questões complexas nos gestos simples. As obras apresentadas na Temporada de Projetos são resultado de uma pesquisa sobre simetria. A artista iniciou sua carreira artística com pintura e desenho. Mas, a partir da pesquisa sobre várias mídias, ampliou seu leque de suportes e hoje trabalha também com fotografia, vídeo e instalação. Em 2005, participou da exposição Projeto ocupação, no Paço das Artes, e, em 2007, de coletiva na Galerie Sycomore Art, em Paris. 

A exposição é composta por dois momentos. 
Penso o trabalho como um organismo. Sinto meu coração batendo, o centro da máquina. 

Inicialmente com uma abordagem mais ampla, substâncias líquida e pó tomam "corpo" através do contato com o papel e dialogam entre si tensão, embolotamento, alívio e dispersão. Tudo trabalha num constante rebatimento das tintas sobre o papel e ou a tinta sobre o papel sobre o próprio papel ou sobre um outro, que resultará em um novo desenho. Com uma simplicidade na ação e a não interferência de atitudes ordenantes, surgem questões básicas. 

Não seria inesperado aquilo que já possuímos. Num segundo momento, a ação parte da linha que percorre um eixo central e gravitacional (o sentido da artista com relação ao centro da Terra) e em seguida dobro o papel criando um desenho com partes análogas. O verniz é fossilizado pelo pó (de camurça ou metálico) que aterrizou propositadamente sobre o papel congelando a ação. 

Com o fato de ter iniciado uma pesquisa que se relacionava às simetrias ocorreu-me estar trabalhando com um princípio de como as coisas nascem. Por que você tem uma perna igual a outra ou por que o lado direito de um osso se parece com o esquerdo? Haverá muitas explicações científicas para a resposta mas na verdade não pretendo tanto. Meu interesse reside no fato de experimentar num gesto simples a ocorrência de questões complexas. Um organismo que se compõe e se interrelaciona. Funcionamos como um todo e o processo de nossa história e criação fazem parte da nossa essência. A "simplicidade" de poucos gestos pode revelar, pois abre caminho para uma intenção maior e infinita.

Ana Amélia Genioli

  • Realização: