Guy Amado

Manoel Veiga
Guy Amado
É no campo da abstração que transcorre a pesquisa pictórica de Manoel Veiga, configurando uma trajetória que parece ter alcançado, na presente produção, uma qualidade de originalidade que reafirma o grau de experimentação em sua prática. O artista chega a uma solução pictórica em que se vale de um processo prosaico e peculiar, por via do qual elabora suas composições atacando o suporte diretamente sobre o plano do chão. Tal decisão constitui um artifício para anular a aç...

Manoel Veiga


Falha
Guy Amado
Em seu fazer artístico, Renata Lucas parece pensar o espaço como matéria. Centrando seus interesses numa investigação acerca de elementos arquitetônicos, sua funcionalidade e a especificidade de seu contexto, inspira-se nos atributos espaciais de um local para realizar suas peças, em trabalhos que comentam e propõem novas relações com seu entorno. Partindo de uma percepção totalizada do espaço, por ela tornado campo de ação, Renata opera sobre o mesmo tomando-o não apenas como um...

Renata Lucas


Sobre a Virgem
Guy Amado
O processo criativo de Caetano Dias é pautado por uma regularidade e coerência perceptível em toda sua obra, fundado na noção da desconstrução. E essa noção, aqui, pode ser entendida como decompor ou destruir o objeto/imagem para identificar e repotencializar sua multiplicidade de significados, desfazendo os dogmas pré-estabelecidos pela ideologia ou pela convenção. Esta orientação se evidencia desde a produção pictórica do artista – ‘forja’ para seu pensamento em arte - ...

Caetano Dias


Carlos Pires
Guy Amado
Uma faixa de substância indefinida avança no espaço expositivo, quase mimetizada no ambiente branco da sala e apenas percebida pela nuance tonal que a destaca da parede-suporte. Contamina todo o ambiente - tanto matéria inerte como o próprio espectador, que, à medida que adentra essa área, se dá conta de sua súbita condição não mais de observador passivo, mas de agente - voluntário ou não -, da experiência que Carlos Pires aqui propõe. Esta mancha-substância (anti-matéria?) per...

Carlos Pires


MariaLíviaTelmaFátimaNiceRosa
Guy Amado
Artista movido por inquietações geradas no campo de tensões do cotidiano, Edney Antunes sempre se interessou por investigar questões de cunho social e comportamental. Em MariaLíviaTelmaFátimaNiceRosa (2000), obra recentemente exibida na última edição da Bienal do Mercosul e agora aqui exposta, Antunes retoma sua verve crítica, agora focada no universo feminino. A instalação compõe- se de três módulos, por assim dizer, integrados num único ambiente e estruturados da seguinte forma...

Edney Antunes


Gilberto Mariotti
Guy Amado
É no nicho das discussões acerca do embate entre a noção de real, representação, reprodução da obra e seu simulacro que se insere a pintura de Gilberto. Sua produção privilegia o discurso interno da obra, no sentido de seus quadros possuírem quase a necessidade de falar de si e por si, de remeterem à própria razão de existirem; problematizam a própria razão de serem realizados. Por conseguinte, aludem à sua condição de obra de arte e carga de significados a ela inerente, pass...

Gilberto Mariotti


Eldorado
Guy Amado
É difícil se debruçar sobre a trajetória de Nelson Screnci e apreender claramente um mote para sua produção. O processo de pintar em si, e todas as instâncias nele compreendidas da concepção à prática, o embate com os materiais, o rigor esquemático, o exercício de equilíbrio que domina suas composições e ainda o desprendimento que configura seu vasto repertório, parecem denunciar um envolvimento com a fatura pictórica para além das instâncias de uma categorização possível....

Nelson Screnci


Juliano de Moraes
Guy Amado
A proposta aqui é um jogo, onde a forma é o instrumental para se estabelecer um campo de tensão em que algumas convicções, calçadas na fenomenologia do olhar, são abordadas e, por que não, abaladas.Juliano de Moraes apresenta uma reflexão acerca do processo da percepção em si, que se abre para um questionamento, mais amplo, de sistemas e pressupostos instituídos pela tradição, particularmente no que se refere aos aspectos cognitivos da percepção e do cond...

Juliano de Moraes


Máquinas de ver I
Guy Amado
Há muito investigando o universo da tecnologia a serviço das artes visuais, era quase inevitável que as trajetórias de Daniela Kutschat e Rejane Cantoni se cruzassem, restrito que é este campo de atuação. E desde que tal fato se deu, somaram-se inquietações em comum; seriamente envolvidas com suas pesquisas e com um sólido background reforçado por incursões no exterior - mais que um plus, uma real necessidade para os que aqui atuam num segmento que envolve equipamentos de última ger...

Daniela Kutschat e Rejane Cantoni


Acúmulos
Guy Amado
A poética de Mila Chiovatto parece ter sido sempre balizada pela ideia de destruição. E por destruição, para a artista, podem ser compreendidas intervenções em graus diversos: seja na interferência devastadora gerada pela ação da intempérie sobre objetos e imagens fotográficas como no gesto contido que retoca imagens sacras e de reminiscências familiares; ou ainda nos imprevisíveis efeitos que obtém através do uso de fogo sobre objetos, pinturas e imagens, em composições onde e...

Mila Milene Chiovatto


Ricardo Ramalho
Guy Amado
O cenário em que se insere a produção artística contemporânea - tempos de pós-ismos, tautologias, esgotamento e revisão de fórmulas - permite, quando não exige, o questionamento de uma série de fatores a partir dos quais se dão algumas das discussões que ainda geram força motriz para estes mesmos processos. As relações entre circuito de arte e mercado, o "valor da arte" e a busca por um certo caráter de acessibilidade da mesma - quais sejam as nebulosas circunstâncias das tensõ...

Ricardo Ramalho


O sequestro da história
Guy Amado
O corpo da obra de Edney Antunes parece se constituir de investigações acerca de aspectos que tangenciam o social e o comportamental, podendo eventualmente assimilar o discurso conceitual, sem no entanto incorrer, por este procedimento, em maiores compromissos com esta vertente. Interessando-se por aspectos diversos do contexto popular, o artista recorre ao repertório gerado pelo campo de tensões do cotidiano, para estabelecer leituras intercambiáveis com outras áreas da cultura. O tempero...

Edney Antunes


Jogo dos sete erros
Guy Amado
"…é preciso citar a mais notável de todas leis da ciência, ou seja, que nada pode ser criado nem destruído, e que não há causa sem efeito (…) Quando a bola começa a saltar, possui certa quantidade de movimento, isto é, de potência ou energia, que desaparece quando ela para. É preciso pois demonstrar que a energia não foi destruída, mas sim que derivou para outro ponto; do contrário, e segundo a citada lei, a bola continuaria a saltar indefinidamente (…) A própria bola não é...

Chico Amaral


  • Realização: