• Artificiais (1999-2004)
    Luciana Costa
    fotografia encapsulada e moldura de madeira
  • Artificiais (1999-2004)
    Luciana Costa
    fotografia encapsulada e moldura de madeira
  • Sem título (2001)
    Daniel Lima 
    fotografia
  • Detalhe de Sem título (2001)
    Eduardo Verderame
    vinil adesivo recortado sobre tela
  • Sem título (2001)
    Eduardo Verderame
    vinil adesivo recortado sobre poliestireno

  • Não se morre duas vezes (2002)
    Eduardo Verderame
    vinil adesivo recortado sobre lona plástica
  • Sem título (2004)
    Manoel Veiga
    acrílica sobre tela
  • Sem título (2004)
    Manoel Veiga
    acrílica sobre tela
  • Sem título (1998)
    Alex Flemming
    acrílica sobre plotagem fotográfica sobre lona de PVC
  • Sem título (1998)
    Alex Flemming
    acrílica sobre plotagem fotográfica sobre lona de PVC
  • Celestial #19 (2004)
    Eduardo Srur
    óleo sobre tela
  • Celestial #25 (2004)
    Eduardo Srur
    óleo sobre tela
Small_arrow_left Small_arrow_right

ARTISTAS

Alex Flemming

Daniel Lima

Eduardo Srur

Eduardo Verderame

Luciana Costa

Manoel Veiga




Artista desde 1995, formado na FAAP, e com cursos de pós graduação na ECA, trabalhou 4 anos do departamento de curadoria do MAM onde teve a oportunidade de atuar diretamente na execução de mais de 100 exposições durante o período, também no exterior, com grandes nomes da curadoria nacional e internacional, como Tadeu Chiarelli, Ivo Mesquita, Paulo Herkenhoff, Milena Kalinovska, entre outros.

Em 1999 realizou intercâmbio profissional no Nevada Museum of Art, Reno, EUA, onde permaneceu 30 dias como assistente curatorial, com visita técnica a diversos outros museus.

Foi curador assistente do projeto Neo Pictorialismo, de Ricardo Resende.

Em Agosto, 2002, realizou sua primeira curadoria, após dois anos de elaboração, entitulada Tudo Cem Reais, tendo sido um precursor da ideia, nesse século (após Nelson Leirner em 1989), bastante imitada atualmente. A exposição tratava especificamente do mercado de arte e sua relação com a produção de arte. O conceito do projeto impunha aos seis artistas a elaboração de trabalhos feitos especialmente para a mostra, todos seriados e numerados, com tiragem média de 20 obras. A mostra recebeu uma rigorosa montagem museográfica, para esvaziar qualquer conotação de bazar, ou feira.

Atualmente trabalha como artista e desenvolve projetos de curadoria independente.

Pintura versus fotografia

Ricardo Ramalho

Desde sua invenção, a fotografia busca rivalizar com a pintura. A concorrência entre elas é natural, ambas tratam questões muito parecidas de bidimensionalidade, luz, cor, abstração e representação. Apesar da elaboração conceitual parecida, o processo plástico é muito diferente: a pintura possui unicidade e resistência física, exigindo boa dose de destreza do artista, atributos quase irrelevantes quando se pode desfrutar da reprodutibilidade e recursos tecnológicos, como no caso da fotografia. 

A pintura depende basicamente de uma única pessoa, o artista, e alguns materiais simples, num processo direto, no qual as linhas e as cores são esculpidas lentamente, dentro do ateliê. A fotografia - nem sempre algo instantâneo, embora possa ser mais ágil como produto - requer uma logística mais complexa do que a pintura, exigindo certos controles externos cuidadosos: guarda segura dos negativos, equipamentos, numeração da tiragem, processos de revelação, ampliação, colagem, moldura e armazenagem, dependendo assim de uma gama de profissionais que vão além do ateliê.

Desde o final dos anos 90, em São Paulo, a fotografia tem vivido enorme popularidade entre curadores e colecionadores, chegando ao ponto de eclipsar a pintura, mas seu apogeu, como modalidade pura, é passado: a excessiva visibilidade reduziu o deslumbramento da técnica, e suas complexidades naturais parecem ter um custo alto para colecionadores conservadores, de modo que a fotografia agora desce do pedestal e encontra a boa e velha pintura, em pé de igualdade. Apesar de existir entre os artistas a tendência de manter uma distinção clara entre as técnicas, atualmente percebemos uma crescente mistura de soluções, onde a pintura recorre à fotografia, e vice-versa, incluindo o uso de terceiros recursos.

Alex Flemming, pintor assumido, amplia a noção de pintura e quebra o gelo da fotografia. Usando a plotagem em lona de PVC como suporte, distorce a noção de figura e fundo, numa espécie de arte gráfica. A imagem de fundo é a própria figura, e os elementos pintados criam um conteúdo paralelo, texturas, cores e gestos.

Eduardo Verderame produz uma espécie de pseudopintura com inserção de padrões de vinil adesivo, imitando material natural, como o mármore ou a madeira; valoriza o gesto artesanal e o desenho figurativo, e, ainda que adicione a eles técnicas industrializadas, mantém frequentemente um aspecto feito à mão, estratégia típica em seu trabalho.

Eduardo Srur, outro pintor clássico contemporâneo, produz pinturas a óleo, numa franca seleção de cores: paisagens desérticas, nuvens chapadas e contêineres que flutuam no céu, como se tivessem autonomia, e fardos desconhecidos, numa rota inexorável.

Daniel Lima faz fotografias que mostram uma realidade que somente o negativo de uma máquina pode captar, utilizando na composição o caráter científico deste meio. São imagens feitas com recurso de luzes de raio laser, em que este assume a função do pincel, ou grafite, preenchendo o campo e gravando a linha sobre um fundo, que pode ser um quarto ou o céu da cidade.

Luciana Costa, uma fotógrafa de verdade (artista, melhor dizendo), realiza um trabalho de representação de ícones do mundo contemporâneo, no caso flores de plástico, cuja textura do objeto se mistura com a textura da imagem, criando um efeito luminoso de cores chapadas, contornos secos e imprecisos, conferindo naturalidade a um objeto artificial.

Manoel Veiga, com suas pinturas aguadas abstratas, traz uma contribuição necessária ao cenário, incorporando, com leveza e transparência, uma certa dose de imprevisibilidade e risco calculado. O resultado tem uma fluidez contemplativa incomum, em cada peça, registros físicos dinâmicos, profundidades, rios.

Ricardo Ramalho 

* Ricardo Ramalho foi curador selecionado para a Temporada de Projetos 2004
  • Realização: