• 111, de Clara Ianni
  • Victor Leguy
  • Zapantera Negra, de E.D.E.L.O
  • Explode!
  • Plantation Memories, de Grada Kilomba
  • Iván Argote
  • It Was Amazon, de Jaider Esbell
Small_arrow_left Small_arrow_right

ARTISTAS

Clara Ianni

E.D.E.L.O

Explode!

Grada Kilomba

Iván Argote

Jaider Esbell

Victor Leguy




Juliana Caffé (1983, São Paulo, Brasil) é pesquisadora, editora e curadora independente. Especialista em Curatorship pela University of Cape Town UCT (África do Sul); e em Arte: História, Crítica e Curadoria pela COGEAE PUCSP. Integrou a equipe da Associação Cultural Videobrasil entre 2013 e 2017. Entre os trabalhos de curadoria destacam-se: a Residência Artística Cambridge (São Paulo, 2016), projeto recipiente do Prêmio APCA 2016 na categoria 'apropriação urbana'; o Seminário: Pensar a América Latina Panorama Político e Cultural na Videobrasil (São Paulo, 2017); e a exposição How to Remain Silent? na A4 Arts Foundation (Cidade do Cabo, 2017).

Juliana Caffé

Com o objetivo de estimular a reflexão sobre construções narrativas e a capacidade da arte de trazer para a memória coletiva social outras perspectivas e possibilidades de mundo, Juliana Caffé parte dos conceitos do antropólogo haitiano Michel-RolphTrouillot sobre a dimensão reflexiva da história e do filósofo martinicano Frantz Fanon sobre descolonização, para debater o processo narrativo como ferramenta para reelaborar passados, presentes e futuros e criar novas formas de vínculo social e conhecimento.

Diante do atual momento global de instabilidades e crises no panorama econômico e de representatividade política, padrões são postos à prova, e outras vozes ganham espaço na procura de dar sentido à história e criar novas formas de subjetivação, outras condições para o saber e o poder. “Do Silêncio à Memória” é esse percurso de conflito e resistência na busca pela afirmação política.

A exposição é composta por videoinstalações, fotografias, quadros e outras peças de sete artistas e coletivos que têm trabalhado com processos narrativos e com a dimensão reflexiva da história relacionada, principalmente, com questões raciais, de classe, de sexualidade e de gênero. 
  • Realização: